• Glaucius Nascimento

Sushi na Gravidez


Gra?vida pode comer sushi

. ?? Poder até pode, a depender da qualidade e da quantidade, mas É DESACONSELHADO!!! Esteja consciente do risco da ingestão de alimento cru preparado por terceiros, neste caso, o risco de contaminação e infecção é maior! Eu particularmente não recomendo, mas algumas clientes insistem em comer sushi, neste caso leia o texto abaixo e decida com calma. . ??  Salmão, Atum e Peixe Branco são considerados alimentos saudáveis, desde que se conheça a origem dos mesmos, sua forma de armazenamento, bem como certificar-se de que não haja contaminação com mercúrio ou outro agente infeccioso e/ou tóxico. Evitar comer fora de casa pode ajudar a não adquirir algumas infecções como a listeriose, toxoplasmose ou mesmo algumas gastroenterites. O maior problema da comida japonesa é o alto consumo de sódio no molho de soja ou o excesso de carboidrato (no arroz, nos molhos doces) ou de gordura (nos sushis fritos com óleos que se transformam em gorduras trans, prejudiciais à nossa saúde) ou mesmo de calorias (em geral se procura um rodízio e se come por quantidade do que uma simples e saudável porção de sashimis, em que se come em qualidade). .

.

Não se trata de terrorismo nutricional, Sushi não faz parte da nossa culinária tradicional, o risco de contaminação/infecção e intoxicação de metais pesados deve ser considerado. É uma preocupação inclusive no Japão. A LITERATURA CIENTÍFICA INTERNACIONAL (E A NACIONAL) NÃO RECOMENDA O CONSUMO DE SUSHI DURANTE A GRAVIDEZ. As gestantes que, apesar de conhecerem os riscos, optarem por fazer uso deste tipo de alimento, devem prestar atenção na técnica de congelamento utilizada, de cozimento e de higienização que podem reduzir também o risco de infecção. Vale a pena ler os artigos abaixo antes de tomar a decisão sobre da ingestão de Sushi, durante o período de gravidez. E não estamos no Japão, não temos a mesma condição econômica, educacional, sanitária ou social. Desconheço artigos que recomendem o consumo de sushi na gravidez. Ciência se refuta não com agressão, nem com “achismo”, mas com artigos científicos. 

#drGlauciusresponde #dúvidasnagravidez #sushinagravidez



imagem sushi polaco

Contaminação de metais pesados, deterioração microbiológica e conteúdo de amina biogênica em sushi disponível no mercado polaco.

Estudo da Polônia, elaborado por Kulawik PDordevic DGambu? FSzczurowska KZaj?c M. publicado no J Sci Food Agric. 2017 Nov 13. doi: 10.1002/jsfa.8778.

CONTEXTO: O presente estudo determinou a contaminação por metais pesados ??(mercúrio, cádmio, chumbo, arsênico e níquel) de nori (alga), sushi servido por restaurante e pratos de sushi prontos para comer, disponíveis através de cadeias de varejo. Além disso, foram analisados tanto a carga microbiológica quanto o teor de amina biogênica em refeições de sushi prontas para comer.

RESULTADOS:

  1. Todas as amostras nori continham níveis elevados de Cd (2,122 mg kg-1), Ni (0,715 mg kg-1), As (34,56 mg kg-1) e Pb (0,659 mg kg-1).

  2. As amostras de sushi estudadas continham altos níveis de Ni e Pb, atingindo 0.194 e 0.142 mg kg-1 de peso úmido, respectivamente, sendo potencialmente perigoso para mulheres durante a gravidez e lactação e crianças pequenas.

  3. Nenhuma das amostras estudadas continha altos níveis de Hg.

  4. No geral, 37% das refeições de sushi prontas para comer excederam uma carga microbiológica de 106 cfu g-1. No entanto, o teor de amina biogênica em todas as amostras foi baixo, com um maior índice de histamina de 2,05 mg kg-1.

CONCLUSÃO:  Sushi não é a fonte de altos níveis de aminas biogênicas, mesmo com altas cargas microbiológicas. No entanto, as altas cargas microbiológicas no final da vida útil indicam que alguns processadores podem ter problemas com a cadeia de distribuição ou implementar um mau regime higiênico. Além disso, como resultado de possíveis riscos associados à contaminação por metais pesados, o presente estudo ressalta a necessidade de estabelecer novas regulamentações sobre a contaminação de nori e sushi.

O presente estudo ressalta a necessidade de estabelecer novas regulamentações sobre a contaminação de nori e sushi.
pesquisa sushi obstetras

Sushi na gravidez, doenças parasitárias – pesquisa obstétrica

Jones JL, et al. Zoonoses Public Health. 2011. Sushi in pregnancy, parasitic diseases – obstetrician survey. doi: 10.1111/j.1863-2378.2009.01310.x.

Parasitas de peixe cru podem levar a uma ampla gama de manifestações clínicas e podem ser difíceis de tratar na gravidez como resultado da exposição à medicação do feto. Nós examinamos ginecologistas e obstetras (GOs) nos EUA para determinar o seu conhecimento sobre o consumo de peixe cru durante a gravidez. Em março de 2007, um questionário foi enviado aos membros do Colégio Americano de Ginecologistas e Obstetras (ACOG) selecionados aleatoriamente para representar todos os membros. Os médicos não respondentes receberam dois endereços adicionais.

  1. Dos 606 membros do ACOG entrevistados, 305 (50%) responderam.

  2. A maioria (82%) entrevistados indicaram que comer peixe cru não é seguro durante a gravidez.

  3. No entanto, poucos (19%) sabiam que o congelamento completo mata parasitas nos peixes.

  4. Quase todos (94%) responderam que as infecções parasitárias podem ser mais desafiadoras para tratar na gravidez. 

  5. Ginecologistas e Obstetras americanos acreditam que comer peixe cru durante a gravidez não é seguro; a maioria se beneficiaria de informações sobre como prevenir a infecção e sobre o tratamento.

Ginecologistas e Obstetras americanos acreditam que comer peixe cru durante a gravidez não é seguro; a maioria se beneficiaria de informações sobre como prevenir a infecção e sobre o tratamento.

metais pesados em japoneses

Evidência de exposição a produtos químicos e metais pesados ??durante a gravidez em mulheres japonesas

Estudo japonês publicado por MAEKAWA et al., naReprod Med Biol. 2017;16:337–348, com DOI: 10.1002/rmb2.12049, também avaliou os riscos de exposição de produtos químicos e metais pesados na gravidez.

Objetivo: a exposição pré-natal a produtos químicos ambientais é uma preocupação crescente, porque tais exposições demonstraram estar associadas a várias doenças. Os níveis de produtos químicos e metais pesados ??no sangue materno, sangue do cordão umbilical, urina materna e líquido amniótico em mulheres grávidas japonesas foram investigados.

Métodos: um total de 145 mulheres, incluindo 14 casos de restrição do crescimento fetal, foram incluídos no presente estudo. Os níveis de ftalatos (ftalato de di [2-etil-hexilo] e ftalato de mono [2-etilhexilo], compostos perfluorados (perfluorooctano sulfonato, ácido perfluorohexanoico, ácido perfluorooctanoico e ácido perfluorononanoico), pesticidas (dimetilfosfato, dimetiltiofosfato, dietilfosfato, dietiltiofosfato, 3 ácido fenoxibenzóico e éter octaclorodipropílico), bisfenol A, nicotina (nicotina, nornicotina, cotinina, norcotinina e trans-3′-hidroxcotinina), éteres difenílicos polibromados e metais pesados. A relação entre o crescimento fetal e os níveis de produtos químicos e metais pesados ??foi investigada.

Resultados: os ftalatos, os compostos perfluorados, os pesticidas, os éteres difenílicos polibromados e os metais pesados ??foram detectados em alta freqüência, enquanto a nicotina e o bisfenol A foramquase negativos. Os ftalatos, compostos perfluorados e vários metais pesados ??foram transferidos para o feto. Os níveis elevados de ácido perfluorononanóico no sangue materno e no sangue do cordão umbilical e o baixo nível de ácido perfluorooctanoico no sangue do cordão umbilical foram significativamente e negativamente associados ao crescimento fetal.

Conclusões: O presente estudo mostrou que mulheres grávidas no Japão e seus fetos estão expostos a uma variedade de produtos químicos e metais pesados.

ACOG FIsh parasita

Os parasitas intestinais intestinais afectam mais de 2 bilhões de pessoas em todo o mundo de acordo com a Organização Mundial da Saúde. As infecções parasitárias transmitidas por peixes estão se tornando mais comuns com a crescente popularidade de sushi, sashimi, carpaccio, tartare, gefilte e ceviche. A ingestão destes parasitas pode causar a anemia, anormalidade, dor abdominal intensa, náuseas, vômitos, fortes reações alérgicas e úlceras gástricas. Conhecimento sobre parasitas de peixes e gravidez é limitado. Uma pesquisa bibliográfica sobre PubMed e Web of Science usou os termos de busca “parasitas de peixe” ou “dififilotobotrio” OU “anisakíase” OU “pseudoterranova” OU (“parasitas alimentares” e “peixe”) E “gravidez” OU “maternal” OU “feto” OU “fetal” OU “recém nascido” ou “neonatal” ou “parto”. Nenhum limite foi colocado no número de anos pesquisados. Foram identificadas 281 publicações. Os resumos de todas essas publicações foram lidos. Após a exclusão dos artigos que não eram relevantes para a gravidez, desfecho da gravidez e parasitas de peixes, havia 24 artigos que se tornaram a base dessa revisão. A fisiopatologia, a imunidade materna alterada relacionada à infecção, informações limitadas sobre infecções parasitárias transmitidas por peixes e gravidez, e tratamentos são discutidos. O principal impacto de uma infecção parasitária transmitida por peixes em mulheres grávidas é anemia e imunidade alterada, o que pode aumentar o risco de infecção materna. Os efeitos do feto primário incluem restrição de crescimento intra-uterino e parto prematuro.

              A forma mais eficaz de tratamento é a prevenção da infecção parasitária inicial. A prevenção da infecção parasitária em mulheres grávidas é de vital importância na saúde geral e no estado nutricional em que o feto e a mãe se beneficiarão. As mulheres grávidas devem evitar peixes crus e mal cozidos, como sushi, frutos do mar defumados ou levemente fritos e ceviche. Todos os subprodutos de peixe e peixe devem ser cuidadosamente cozidos a 56 ° C a 60 ° C durante um mínimo de 5 minutos antes do consumo. Alternativamente, os parasitas também podem ser eliminados por explosão congelando o peixe a -35 °C durante 15 horas ou por congelamento regular a -20 ° C durante pelo menos 24 horas e melhor se até 7 dias antes da preparação. O o peixe também pode ser colocado numa solução de NaCl a 12%; No entanto, esse método pode levar de alguns dias até semanas para ser efetivo. Também observou-se que o estágio larval do Diphyllobothrium pode sobreviver por 4 a 8 horas a -8 ° C. O peixe defumado não parece ser efetivo na eliminação de nenhum estágio do parasita antes do consumo.

As mulheres grávidas devem evitar peixes crus e mal cozidos, como sushi, frutos do mar defumados ou levemente fritos e ceviche. Todos os subprodutos de peixe e peixe devem ser cuidadosamente cozidos a 56 ° C a 60 ° C durante um mínimo de 5 minutos antes do consumo. Alternativamente, os parasitas também podem ser eliminados por explosão congelando o peixe a -35 °C durante 15 horas ou por congelamento regular a -20 ° C durante pelo menos 24 horas e melhor se até 7 dias antes da preparação. O o peixe também pode ser colocado numa solução de NaCl a 12%; No entanto, esse método pode levar de alguns dias até semanas para ser efetivo. Também observou-se que o estágio larval do Diphyllobothrium pode sobreviver por 4 a 8 horas a -8 ° C.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo