• Glaucius Nascimento

Náuseas e Vômitos na Gravidez


🤢Náuseas e vômitos são características quase inevitáveis ​​da gravidez e têm um sério impacto na qualidade de vida das mulheres grávidas 🎯Este estudo teve como objetivo determinar os efeitos da aromaterapia inalatória combinada com limão e hortelã-pimenta nas náuseas e vômitos da gravidez (NVG).➡️Materiais e métodos: ✔️O ensaio clínico randomizado paralelo foi realizado em 90 mulheres grávidas que sofriam de náuseas e vômitos durante a gravidez encaminhadas para centros de saúde em Birjand-Irã, de fevereiro de 2015 a agosto de 2016 ✔️Os participantes foram divididos aleatoriamente em dois grupos ✔️Os óleos essenciais combinados de limão e hortelã-pimenta foram usados ​​como inalador para a intervenção e o placebo para o grupo controle ✔️Ambos os grupos foram treinados para colocar três gotas da solução em uma bola de algodão e mantê-la a 3 cm de distância do nariz ✔️A intensidade de náuseas, vômitos e fadiga foi avaliada por meio do questionário Quantização Única de Êmese para Gravidez de 24 horas (PUQE-24) e Escala de Gravidade de Fadiga (FSS), respectivamente

➡️Resultados: ✔️Os escores médios de intensidade de náusea e vômito antes da intervenção e no primeiro dia de intervenção não foram significativamente diferentes entre os dois grupos, mas tornaram-se significativos no segundo, terceiro e quarto dias de intervenção ✔️Os resultados mostraram que o efeito do tempo na intensidade média de náuseas e vômitos foi significativo no grupo de aromaterapia (F2,84 = 22,92, p <0,001), mas não foi significativo no grupo de placebo (F2,78 = 0,26, p = 0,836)

➡️Conclusões: ✨A aromaterapia combinada de limão e hortelã-pimenta pode reduzir a intensidade leve a moderada de NVG.✨ . *️⃣No artigo completo, o que achei bem interessante foi que a satisfação e preferência pelo tratamento por Aromaterapia para NVG bem como a aderência às recomendações nutricionais e do estilo de vida também foram estatisticamente significantes. . 💡Fonte: https://doi.org/10.4103/ijnmr.ijnmr_11_19

https://www.instagram.com/p/CJNstVKjddz/?utm_source=ig_web_copy_link



Nota Febrasgo sobra o uso da Ondansetrona na Gravidez

Sexta, 04 Outubro 2019 16:19







Ondansetrona no tratamento das náuseas e vômitos na gravidez  

Uma intercorrência frequente na gravidez, a êmese/ hiperêmese gravídica, é preocupação permanente e atual de todos os obstetras e pesquisadores que atuam na saúde da gestante, muito se avançou no seu tratamento, mas ainda não é suficiente.

Nos últimos anos observou-se uma superioridade do efeito antiemético entre as usuárias de Ondansetrona e com baixos efeitos colaterais quando comparados aos outros antieméticos, o que fez rapidamente tornar a ondansetrona o medicamento mais frequente prescrito para náuseas e vômitos durante a gravidez no mundo.

No entanto, no dia 12 de setembro de 2019, a Agência Espanhola de Medicamentos e Produtos Sanitários (AEMPS) publicou uma nota informativa proibindo o uso de ondansetrona durante a gravidez, pelo risco aumentado de defeitos de fechamento orofacial e malformações cardíacas, especialmente no primeiro trimestre. Recomendando ainda que as mulheres em idade fértil em uso desse medicamento sejam informadas dos riscos e que utilizem medidas contraceptivas seguras.

Essa nota da AEMPS foi baseada em dois estudos retrospectivos recentes conflitantes e controversos. O primeiro encontrou que o uso da ondansetrona no primeiro trimestre está associado com um pequeno risco de fendas orais, principalmente fenda palatina, mas não com defeitos cardíacos. O segundo estudo mostrou um aumento de defeitos cardíacos, mas não de defeitos de fendas orais. No estudo que apresentou aumento absoluto do risco de fissura orofacial e/ou palatina, esse aumento foi muito pequeno, afetando aproximadamente 14 por 10.000 nascimentos, em comparação com uma taxa de 11 por 10.000 dos recém-nascidos não expostos. Isso equivale a três casos adicionais de fenda orofacial por 10.000 gestantes que usam ondansetrona durante o primeiro trimestre. Esse mesmo estudo concluiu que quando os resultados são ajustados para um grande número de variáveis relevantes, não se encontra aumento de malformações no grupo daquelas que usaram a Ondansetrona.

A FEBRASGO, enquanto não houver outras evidências, orienta prudência com divulgação desses resultados e não ve motivo para o não uso da Ondansetrona na gravidez, prestando esclarecimento para gestantes sobre o baixo risco de malformações, deixando seu uso, preferencialmente, quando medidas de apoio e dietéticas associadas a outros fármacos não mostrarem sucesso.

São Paulo, 04 de outubro de 2019.

Comissão Nacional Especializada de Assistência Pré-Natal da Febrasgo

Diretoria da Febrasgo

REFERE?NCIAS

  1. Agencia Espan?ola de Medicamentos y Productos Sanitarios (AEMPS).:2. 3 Ondansetro?n: riesgo de defectos de cierre orofacialies (la?bio leporino, paladar hendido) tras uso durante el primer trimestre del embarazo. Ministerio de Sanida, Consumo y Bienestar Social. Nota informativa, 2019.

  2. Huybrechts KF et al. Association of Maternal First-Trimester Ondansetron Use With Cardiac Malformations and Oral Clefts in Offspring. JAMA. 2018 Dec 18; 320 (23): 2429-2437.

  3. Zambelli-Weiner A et al. First Trimester Ondansetron Exposure and Risk of Structural Birth Defects. Reprod Toxicol. 2019 Jan; 83: 14–20



  1. #Comissão de Assistência Pré Natal

Link: https://www.febrasgo.org.br/pt/noticias/item/873-ondansetrona-no-tratamento-das-nauseas-e-vomitos-na-gravidez


??Agora, simplesmente você vai permanecer calma porque a maior probabilidade é de não acontecer absolutamente nada!!! . ??A ondansetrona ainda é recomendado por importantes Artigos Científicos, Guidelines internacionais, pela FEBRASGO (Associação Brasileira das Sociedades de Ginecologia e Obstetrícia) e pelo Colégio Americano de Ginecologistas e Obstetras . ??Agora, que realmente a Piridoxina / Piridoxal 6 Fosfato (Vitamina B6) é droga A (sem risco na Gravidez) e que os aspectos emocionais e nutricionais contam bastante isso também não é novidade é há muito tempo enfatizo isso e escrevi no meu site no link https://drglaucius.com.br/nvg/ . ??Então queridas e queridos, menos sensacionalismo, mais ciência e mais prática e bom senso. E existem alguns artigos que refutam esta hipótese do risco da Ondansentrona . ??Quer diminuir o risco de defeitos congênitos ? ?Marque três meses antes de engravidar: ??um ginecologista e obstetra que vai prescrever suplementos importantes que diminuem riscos de defeitos congênitos, ??um nutricionista Materno-infantil vai ajudar na programação metabólica fetal através de uma nutrição funcional e também na suplementação nutracêutica ??um psicólogo para avaliar (e otimizar) o seu estado emocional ??e melhore seus hábitos de vida . ??O esposo também deve procurar ??seu clínico, nutrólogo ou urologista, ??psicólogo, ??nutricionista, além de ??melhorar os hábitos de vida . *??Aí meus queridos(as) apenas uma fatalidade levará à ocorrência de defeitos congênitos, vocês fizeram o que precisava ser feito!!!


Náuseas e Vômitos na Gravidez

Náuseas e vômitos da gravidez são sintomas comuns que afetam a saúde de uma mulher grávida e seu feto. Podem diminuir a qualidade de vida de uma mulher e também contribui significativamente para os custos de cuidados de saúde e o tempo perdido do trabalho.

É mais comum no início da gravidez e pela manhã, a presença de náuseas e vômitos da gravidez pode ser minimizada por obstetras ou outros prestadores de cuidados obstétricos

Algumas mulheres não procuram tratamento devido a preocupações com a segurança dos medicamentos.

Uma vez que a náusea e o vômito da gravidez progridem, pode se tornar mais difícil controlar os sintomas.

O tratamento nos estágios iniciais pode prevenir complicações mais graves, incluindo hospitalização.

Tratamentos seguros e eficazes estão disponíveis para casos mais graves, e casos leves de náuseas e vômitos de gravidez podem ser resolvidos com mudanças de estilo de vida e dieta.

A percepção da mulher sobre a gravidade de seus sintomas desempenha um papel crítico na decisão de saber se, quando e como tratar náuseas e vômitos da gravidez.

A náusea e o vômito da gravidez devem ser distinguidos de náuseas e vômitos relacionados a outras causas.

O objetivo deste documento é rever as melhores evidências disponíveis sobre o diagnóstico e manejo de náuseas e vômitos da gravidez.

Avaliação e Classificação

Existe um questionário para classificação de náuseas e vômitos na gestação baseado em 3 perguntas e com as pontuações de acordo com as respost

1. Em média em um dia, por quanto tempo você sente náuseas ou dor no estômago? Não é nada (1 ponto) 1 hora ou menos (2 pontos) 2-3 horas (3 pontos) 4-6 horas (4 pontos) Mais de 6 horas (5 pontos)

2. Em média, em um dia, quantas vezes você vomita? 7 ou mais vezes (5 pontos) 5-6 vezes (4 pontos) 3-4 vezes (3 pontos) 1-2 vezes (2 pontos) Eu não vomitei (1 ponto)

???3. Em média, em um dia, quantas vezes você tem vômito ou vômito seco (sensação de vômito sem conseguir vomitar)? Nenhum (1 ponto) 1-2 vezes (2 pontos) 3-4 vezes (3 pontos) 5-6 vezes (4 pontos) 7 ou mais vezes (5 pontos)

NVG Pontuação total (soma das respostas para 1, 2 e 3):

NVG Leve, 6 ou menos;

NVG Moderada, 7-12;

NVG Acentuada, 13 ou mais. ??

Abreviação: NVG, náuseas ou vômitos na gravidez.

Reimpresso de Lacasse A, Rey E, Ferreira E, Morin C, Berard A. Validade de um índice de pontuação de Quantificação de náuseas e vômitos (PUQE)  modificado para avaliar a gravidade da náusea e vômito da gravidez. Am J Obstet Gynecol 2008; 198: 71.e1-7.

Diagnóstico Diferencial

  1. Condições gastrointestinais

  2. Gastroenterite

  3. Gastroparesia

  4. Achalasia

  5. Doença do trato biliar

  6. Hepatite

  7. Obstrução Intestinal

  8. Úlcera péptica

  9. Pancreatite

  10. Apendicite

  11. Condições do trato genitourinário

  12. Pielonefrite

  13. Uremia

  14. Torção ovariana

  15. Litíase renal

  16. Leiomioma uterino degenerado

  17. Condições metabólicas

  18. Cetoacidose diabética

  19. Porfiria

  20. Doença de Addison

  21. Hipertireoidismo

  22. Hiperparatiroidismo

  23. Distúrbios neurológicos

  24. Pseudotumor cerebral

  25. Lesões vestibulares

  26. Enxaqueca

  27. Tumores do sistema nervoso central

  28. Hipofísite linfocítica

  29. Condições diversas

  30. Toxicidade ou intolerância a medicamentos

  31. Condições psicológicas

  32. Condições relacionadas à gravidez

  33. Fígado gorduroso agudo da gravidez

  34. Pré-eclâmpsia

 Efeitos maternos das náuseas e vômitos da gravidez

Embora a morte por náuseas e vômitos da gravidez seja relatada raramente hoje, foram reportadas morbidades significativas, como encefalopatia de Wernicke, avulsão esplênica, ruptura esofágica, pneumotórax e necrose tubular aguda. Encefalopatia de Wernicke (causada pela deficiência de vitamina B1) relacionada à hiperêmese gravídica tem sido associado com morte materna ou incapacidade neurológica permanente.

Além do aumento das internações hospitalares, algumas mulheres experimentam uma morbidade psicossocial significativa causada por náuseas e vômitos da gravidez, resultando em uma decisão para o término da gravidez. Uma revisão sistemática da morbidade psicológica em relação à hiperêmese gravídica demonstrou valores significativamente maiores de depressão e escala de ansiedade em mulheres com a condição. No entanto, essas descobertas são limitadas pelo alto nível de heterogeneidade entre os estudos.

Efeitos Fetais das Náuseas e Vômitos da Gravidez

A gravidade da náusea e do vômito determina seu efeito no embrião e no feto. Com o vômito leve ou moderado, há pouco efeito aparente no resultado da gravidez.

Estudos documentaram uma menor taxa de aborto em mulheres com náuseas e vômitos de gravidez e hiperemese gravídica em comparação com controles. Este resultado é pensado para estar relacionado à síntese placentária robusta em uma gravidez saudável, em vez de um efeito protetor do vômito.

Não foi demonstrada associação significativa de hiperêmese gravídica com anomalias congênitas.

O resultado mais freqüentemente examinado é a incidência de baixo peso ao nascer (BPN). No entanto, alguns estudos não identificaram aumento na BPN com náuseas e vômitos de gravidez. Por outro lado, uma revisão sistemática e metanálise de mulheres com hiperêmese gravídica apresentou maior incidência de BPN e crianças pequenas para a idade gestacional (PIG) e prematuros (PT).

No entanto, nenhuma associação de hiperêmese gravídica e mortalidade perinatal ou neonatal foi demonstrada em grandes coortes retrospectivas.

Embora pouco se saiba sobre a saúde a longo prazo de crianças ou mulheres após a gravidez complicada pela hiperêmese gravídica, é apropriado para tranquilizar os pacientes que a presença de náuseas e vômitos da gravidez e até mesmo a hiperêmese gravídica geralmente se presta bem ao resultado da gravidez .


Algoritmo do tratamento terapêutico de náuseas e vômitos da gravidez (se não há melhora, avance para o próximo passo no algoritmo). Este algoritmo assume que outras causas de náuseas e vômitos foram descartadas. A qualquer passo, considere a nutrição enteral se a desidratação ou perda de peso persistente for observada. * Alguns medicamentos antieméticos só foram aprovados pela US Food and Drug Administration para uso em pacientes não grávidas; no entanto, o uso fora do rótulo é comum. Obstetras e outros prestadores de cuidados obstétricos devem aconselhar pacientes e documentar essas discussões em conformidade. O cuidado deve ser exercido se vários medicamentos antieméticos forem usados ??simultaneamente. O uso paralelo de alguns medicamentos (ver texto) pode resultar em um risco aumentado de efeitos adversos. † Nos Estados Unidos, a doxilamina está disponível como ingrediente ativo em alguns auxiliares de sono de balcão; metade de um comprimido de 25 mg marcado pode ser usado para fornecer uma dose de 12,5 mg de doxilamina. ‡ A tiamina, por via intravenosa, 100 mg com o líquido de reidratação inicial e 100 mg por dia para os próximos 2-3 dias (seguido de multivitaminas intravenosas), é recomendada para mulheres que necessitam de hidratação intravenosa e tenham vomitado durante mais de 3 semanas para prevenir uma ocorrência rara mas grave complicação materna, encefalopatia de Wernicke. (Modificado de Levichek Z, Atanackovic G, Oepkes D, Maltepe C, Einarson A, Magee L, et al., Náuseas e vômitos da gravidez. Algoritmo de tratamento baseado em evidências. Can Fam Physician 2002; 48: 267-8, 277.)

Resumo das Recomendações do Colégio Americano de Ginecologistas e Obstetras sobre Náuseas e Vômitos na Gravidez


As seguintes recomendações baseiam-se em evidências científicas boas e consistentes (Nível A):

Tratamento de náuseas e vômitos de gravidez com vitamina B6: Vitamina B6 (piridoxina) sozinha ou associada a doxilamina em combinação é segura e eficaz e deve ser considerada como farmacoterapia de primeira linha.

A recomendação padrão para tomar vitaminas pré-natais por 1 mês antes da fertilização pode reduzir a incidência e gravidade de náuseas e vômitos na gravidez.

O manejo adequado de testes anormais de tireoides maternos atribuíveis à tireotoxicose transitória gestacional, ou hiperêmese gravídica, ou ambos, inclui terapia de suporte e medicamentos antitireoidianos não são recomendados.

As seguintes recomendações baseiam-se em evidências científicas limiares ou inconsistentes (Nível B):

O tratamento de náuseas e vômitos da gravidez com gengibre mostrou alguns efeitos benéficos na redução dos sintomas de náuseas e pode ser considerado como uma opção não-farmacológica.

O tratamento de náuseas e vômitos graves da gravidez ou hiperêmese gravídica com metilprednisolona pode ser eficaz em casos refratários; No entanto, o perfil de risco da metilprednisolona sugere que deveria ser um tratamento de último recurso.

As seguintes recomendações baseiam-se principalmente em consenso e opinião de especialistas (Nível C):

O tratamento precoce de náuseas e vômitos da gravidez pode ser benéfico para prevenir a progressão da hiperêmese gravídica

A hidratação intravenosa deve ser usada para o paciente que não pode tolerar os líquidos orais por um período prolongado ou se estiverem presentes sinais clínicos de desidratação. A correção da cetose e da deficiência de vitaminas deve ser fortemente considerada. A dextrose e as vitaminas devem ser incluídas na terapia prolongada quando o vômito está presente e a tiamina deve ser administrada antes da infusão de dextrose para prevenir a encefalopatia de Wernicke.

A alimentação por tubo enteral (nasogástrica ou nasoduodenal) deve ser iniciada como o tratamento de primeira linha para fornecer suporte nutricional à mulher com hiperêmese gravídica que não responde à terapia médica e não consegue manter seu peso.

Os cateteres centrais inseridos periféricos não devem ser utilizados rotineiramente em mulheres com hiperêmese gravídica, dado as complicações significativas associadas a esta intervenção.

Os cateteres centrais inseridos perifericamente devem ser utilizados apenas como último recurso na gestão de uma mulher com hiperêmese gravídica por causa do potencial de morbidade materna severa.

Fonte: Obstet Gynecol. 2015 Sep;126(3):e12-24. com doi: 10.1097/AOG.0000000000001048. https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/26287788

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Óbito Fetal Intrauterino

Em primeiro lugar se você é uma mãe ou um pai de um feto ou bebê, como você queira chamar que já partiu, meus sentimentos. Aqui você encontrará um artigo que pode ajudar a descobrir o motivo da perda

Dr. Glaucius Nascimento

Ginecologista e Obstetra

Todos os direitos reservados

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram

Este site tem caráter INFORMATIVO, ou seja, as informações prestadas NÃO objetivam substituir a avaliação MÉDICA (consulta ou acompanhamento) ou por profissional de Saúde capacitado e devem ser seguidas somente sob aprovação e orientação destes. A prestação destas informações em Saúde, portanto, não se caracteriza de forma alguma como atendimento médico. Dúvidas e perguntas sobre indicações, receitas e dosagens de medicamentos/tratamentos deverão ser feitas diretamente ao seu médico. Evite qualquer forma de automedicação, ou seja, sem prescrição e acompanhamento por profissional de saúde habilitado.