• Glaucius Nascimento

Musicoterapia


. ?Música em Obstetrícia: Uma Opção de Intervenção para Reduzir Tensão, Dor e Estresse . Nos últimos anos, o efeito das intervenções musicais e da musicoterapia experimentou maior atenção na literatura. Foi demonstrado que a música tem efeitos positivos sobre o desempenho cognitivo e físico, como a concentração e a resistência, bem como sobre parâmetros psicológicos, como ansiedade e relaxamento . Estudos no contexto da medicina em particular estão cada vez mais indicando que a música pode ser usada como uma intervenção para alívio contra ansiedade, estresse e dor . A música é, portanto, vista na prática atual como um suplemento às formas farmacológicas convencionais e não farmacológicas e a tendência está aumentando . Estudos envolvendo intervenções musicais no campo da obstetrícia mostraram, entre outras coisas, que a música melhora a capacidade de relaxar durante a gravidez e pode reduzir a ansiedade . Descobriu-se também que durante as intervenções musicais de parto resultaram uma redução da dor e do estresse . A música também tem o efeito de reduzir o estresse, dor e ansiedade em mulheres grávidas durante as partos por cesariana . A música é uma alternativa de tratamento não farmacológico em obstetrícia e mostrou seus vários usos possíveis . No geral, pode-se afirmar que a música pode ser usada como uma intervenção simples, econômica e efetiva em obstetrícia, mesmo que a especificação das opções de intervenção e modos de ação ainda exijam mais pesquisas . A música poderia ser usada significativamente mais frequentemente como uma forma de intervenção de médicos, parteiras e gestantes e parece ser um método exclusivamente positivo para tornar a experiência da gravidez e do parto mais agradável . Na prática diária de hospitais e de ginecologistas em prática privada, a música atualmente é mencionada apenas em casos isolados como uma alternativa de tratamento e no contexto de intervenções mais conhecidas, como a terapia de massagem, acupuntura e óleo de aroma, por exemplo, muitas vezes tende a ser negligenciada como uma opção de tratamento . No momento, ainda não há estudo sistemático disponível sobre a freqüência de uso de intervenções musicais na rotina diária de obstetrícia, razão pela qual é difícil realizar uma classificação clara do uso e da atitude em relação à música no dia-dia da prática obstétrica de hoje . É desejável que a música seja oferecida e usada com mais frequência na prática clínica diária, a fim de permitir que as mães grávidas e uma experiência de nascimento tão agradável quanto possível . Não precisa explicar por que eu utilizo as músicas nos partos né? Particularmente misturo algumas músicas que acalmam, músicas românticas, relacionadas à gestação e parto, mas, principalmente, músicas cristãs, porque acredito que o nascimento é um momento divino e que deve ter a presença de Deus. E é bíblico: “Onde dois ou três estiverem reunidos, eu estarei no meio deles” (Mateus 18,20). Que Deus esteja sempre presente abençoando todos os nascimentos . Ah, o artigo é gratuito no link https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5612774/?report=printable ou DOI: 10.1055/s-0043-118414. Wulff, et al – Geburtshilfe Frauenheilkd. 2017 Sep; 77(9): 967–975

#musicoterapiamúsicascristãsmúsicasnoparto

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Óbito Fetal Intrauterino

Em primeiro lugar se você é uma mãe ou um pai de um feto ou bebê, como você queira chamar que já partiu, meus sentimentos. Aqui você encontrará um artigo que pode ajudar a descobrir o motivo da perda

Dr. Glaucius Nascimento

Ginecologista e Obstetra

Todos os direitos reservados

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram

Este site tem caráter INFORMATIVO, ou seja, as informações prestadas NÃO objetivam substituir a avaliação MÉDICA (consulta ou acompanhamento) ou por profissional de Saúde capacitado e devem ser seguidas somente sob aprovação e orientação destes. A prestação destas informações em Saúde, portanto, não se caracteriza de forma alguma como atendimento médico. Dúvidas e perguntas sobre indicações, receitas e dosagens de medicamentos/tratamentos deverão ser feitas diretamente ao seu médico. Evite qualquer forma de automedicação, ou seja, sem prescrição e acompanhamento por profissional de saúde habilitado.